VIS promete tranformar investigações complexas em apresentações de fácil compreensão

De acordo com os criadores da Visualization Tools for Investigators (VIS), a plataforma permite transformar investigações complexas em representações visuais interativas, de fácil compreensão para um público vasto

 

Compreender dados, relações e alianças políticas nem sempre é fácil quando todas essas informações encontram-se dispostas em texto corrido. Tendo em mente facilitar a distribuição deste tipo de conteúdo, costumeiramente intrincado, foi criada a Visual Investigative Scenarios (VIS).

Ela é uma ferramenta online gratuita de visualização de dados, financiada pelo International Press Institute, que tem o objetivo de ajudar ativistas e jornalistas a mapear redes complexas de negócios, corrupção e crimes.

Criada por repórteres do Organized Crime and Corruption Reporting  Project (OCCRP) e do RISE Project, a plataforma permite transformar investigações complexas em representações visuais interativas, de fácil compreensão para um público vasto.

Essa linguagem visual simples e universal é obtida por meio de modelos de visualização em HTML5 personalizados, que possibilitam ilustrar pessoas, empresas, organizações criminosas ou partidos políticos e criar conexões entre eles.

Para criar seu próprio mapa, é necessário realizar um cadastro rápido na aba “Sign Up For Free”, na página inicial. Após realizar o login, clique em “Dashboard” e em “+New Metro”.

Para adicionar uma nova entidade, clique no botão azul com o sinal de “+”, que encontra-se no canto inferior esquerdo da tela. Depois, defina o caráter da entidade e segmente-a passo seguinte, definindo seu nome e dados detalhados. Então, aloque-a da maneira que preferir na tela.

Para adicionar links entre cada uma delas, basta clicar na entidade desejada e, em seguida, clicar no botão azul com o símbolo de corrente, ao lado do botão de “+”.

Clique na outra instituição à qual você deseja relacionar a primeira entidade e determine a natureza do link descrevendo-a na aba que aparecerá.

Para salvar seu projeto e alterar o layout, clique no menu hambúrguer localizado no canto superior esquerdo que indica “Projects”. Em “export layout”, é possível exportar seu mapa em formato de código HTML, para incorporá-lo em sites e postagens on-line.

A VIS também possibilita fazer o download do seu mapa em formato de imagem, diferenciando o arquivo caso ele vá ser usado para impresso ou digital.

Em termos de usabilidade, a plataforma não deixa a desejar. Ela é gratuita e acessível através do navegador, o que permite que qualquer pessoa possa utilizá-la. A navegação é intuitiva: em cinco minutos é possível encontrar os caminhos para criar um mapa.

A ferramenta também oferece tutoriais rápidos para explicar seu uso. Outro ponto positivo é o seu visual simples e agradável.

A interatividade é outra vantagem oferecida pela VIS: o jornalista pode adicionar blocos de textos informativos nas ligações criadas, além de anexar documentos que comprovem a informação.

Os pontos negativos da ferramenta incluem a limitação de idioma; falta de representatividade e pouca variação de temas nos layouts; impossibilidade de mudar as cores e fazer pré-visualização antes de publicá-lo; funções escondidas e, a mais importante, o jornalista precisa entender e ter dados sobre o esquema para passá-lo ao mapa.

No trabalho jornalístico, a VIS também pode ser útil na organização de dados anterior à publicação. O jornalista pode utilizar a ferramenta para reunir as informações que possui e ter uma visão mais completa delas, facilitando seu trabalho de redação.

Além disso, o mapa produzido pode ser utilizado para que o grande público entenda de forma clara a rede de ligações que é exposta.

A visualização é mais simples do que a oferecida por um texto corrido, especialmente em grandes investigações como a Lava Jato, onde a quantidade de informações é muito grande e complexa.

Como a ferramenta permite o download e incorporação em formatos adequados para meios impresso e digital, sua aplicabilidade não fica restrita a um formato, ainda que no web jornalismo ela mostre-se mais dinâmica.

Isso porque, no meio virtual, o leitor pode explorar informações adicionais em pequenas abas que complementam as conexões, podendo conter inclusive hiperlinks, que por sua vez, podem levar a documentos, vídeos e imagens importantes para a compreensão dos dados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *