Nº 35 – 2016 | Ala Psiquiátrica

A Luta Antimanicomial completa 29 anos hoje, dia 18 de maio, mas as reivindicações continuam. O movimento teve um destaque significativo no ano de 1987, com a divulgação da Carta de Bauru, contra os manicômios. O primeiro manicômio no Brasil foi inaugurado em 1830, no governo de Dom Pedro II. Ainda hoje existem hospitais psiquiátricos em funcionamento, mas devem respeitar os direitos e a cidadania dos pacientes.

O movimento antimanicomial defende algumas alternativas aos hospitais psiquiátricos, como os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), explica a reportagem sobre os novos programas da Reforma Psiquiátrica. As residências terapêuticas também oferecem acolhimento, colaborando para a reinserção social da pessoa.

A temática esbarra na questão da loucura, e então precisaremos discutir questões como: O que é a loucura? Somos normais?

As teorias de Freud e Foucault questionaram a ideia de que a loucura é uma doença mental em meados do século XX, mas ainda hoje há conservadores que defendem os manicômios. O interesse – principalmente econômico – desses segmentos deve ser analisado e o direito das pessoas com sofrimento mental não pode deixar de ser levado em consideração.

Também é curiosa a discussão sobre loucura dentro do contexto social, cultural e econômico em que vivemos, e o número de pessoas com problemas de saúde mental – depressão por exemplo – vem aumentando.

Outros distúrbios psiquiátricos também não são difíceis de serem encontrados. Todos conhecem alguém com depressão, bipolaridade, bulimia, transtorno de personalidade ou diversos outros distúrbios. A esquizofrenia é um deles e os pacientes têm um contato com a realidade de maneira incomum, podendo ver ou ouvir coisas que não existem, ter delírios, sintomas depressivos, entre outras características descritas pela reportagem Tratamento da Esquizofrenia estimula convívio social de pacientes e na Entrevista: Entendendo o que é a esquizofrenia.

Polêmico e negado pela grande mídia, o suicídio é retratado nessa edição. Os veículos de comunicação de forma geral costumam omitir os casos de pessoas tirando a própria vida e isso pode ser muito prejudicial, principalmente a quem sofre de sintomas que indicam possibilidade de suicídio. Se bem apurada, uma reportagem pode esclarecer dúvidas, minar o preconceito e colaborar para o bem estar de todos.

Trataremos, nesta edição, desses e outros assuntos. Inteire-se acerca deles!

Boa leitura!

 

 

Opinião | Estigmas sobre transtornos mentais são endossados pela mídia

Luta antimanicomial completa 29 anos e segue reivindicando

Opinião | Loucura cura?

Tratamento da Esquizofrenia estimula convívio social de pacientes

Entrevista | Entendendo o que é a esquizofrenia

Reforma psiquiátrica avança com novos programas de tratamento

Psicoterapia auxilia no tratamento da depressão

Suicídio: Abordar ou não abordar, eis a questão

Opinião | Uma nova chance dentro das Residências Terapêuticas

 

Gabriel dos Ouros – Editor-chefe

gabriel.ouros@gmail.com

Giovanna Falchetto – Editora-adjunta

giovannanfalchetto@gmail.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *