Orquestra Sinfônica de Bauru revitaliza a Estação Ferroviária

Coordenada pelo maestro Paulo Pereira, a orquestra existe há 14 anos e resiste ao abandono do patrimônio desde o ano passado

Nas décadas de 1940 e 1950, a estação ferroviária de Bauru era o centro comercial do município. O cruzamento de três ferrovias – Estrada de Ferro Sorocabana, Companhia Paulista de Estrada de Ferro e Estrada de Ferro Noroeste do Brasil – fez da cidade o maior entroncamento ferroviário do Brasil à época. Hoje em dia restam apenas as ruínas dos trens, mas a Orquestra Sinfônica Municipal resiste.

Fundada em 2004, atualmente a orquestra conta com 60 membros. O maestro Paulo Pereira coordena os ensaios semanais, que acontecem em uma pequena sala, com firmeza e carinho paternais. “Esse ano três mães vieram conversar comigo a respeito de mudança de comportamento dos filhos”, diz. “A gente quer trazer alguns profissionais da área de psicologia pra tentar orientar.” A preocupação dele tem fundamento: a maioria dos instrumentistas são pré-adolescentes e adolescentes de camadas desprivilegiadas.

A orquestra é gratuita e os alunos são contemplados com uma bolsa de estudos. O curso de música é disponibilizado para alunos de 11 a 15 anos.

Do Automóvel Clube à Estação

Há um ano, a orquestra foi obrigada a transferir sua sede para a estação. Antes os ensaios aconteciam no Automóvel Clube de Bauru. Patrimônio histórico tombado em 2001, o prédio foi alugado pela prefeitura por 12 anos para abrigar a orquestra, mas um impasse jurídico impediu a renovação do contrato em 2017.

Para Paulo, a mudança “uniu o útil ao agradável” pelo fato de a estação ser um espaço gratuito. Contudo, as condições do local são um entrave constante: “No começo foi bem difícil pra gente se adaptar, o espaço é bem debilitado”. Salas sem iluminação, janelas quebradas, assoalhos faltando pedaço e banheiros precários fazem parte do ambiente frequentado por crianças e jovens.


 As condições precárias do prédio dificultam as atividades (Vídeo: Nádia Linhares)

O abandono do poder público provoca situações desagradáveis, desde dispensa de alunos por conta da chuva até episódios de assédio. A professora e contrabaixista Giovanna Contador relembra a ocasião em que um funcionário da Empresa Municipal de Desenvolvimento Urbano e Rural de Bauru (Emdurb) que assediou alunas e foi afastado posteriormente. Paulo aborda, também, a questão de usuários de drogas que costumavam circular pela estação.

Ele afirma que isso não é mais problema, mas algumas autoridades insistem em olhar para a estação com preconceito. “Um vereador declarou que aqui era um ‘reduto de nóias’, que a ‘galera do hip hop’ era assim. Esse vereador é oposição do prefeito, então ele falou mal do serviço da prefeitura com um fundo de maldade”, conta Giovanna.

A ‘galera do hip hop’ é o coletivo Casa de Cultura do Hip Hop, o primeiro a ocupar o lugar. No segundo andar do prédio estão as salas do cursinho popular, da biblioteca e da sala de dança. A estação também abriga a Academia Bauruense de Letras e a Associação de Teatro de Bauru e Região, entre outros coletivos. Giovanna conclui: “é um espaço que está sendo bem ocupado, mas que falta organizar.”

Alunos

Leonardo Rodrigues, trompista, e Daiane, violinista, conversaram com a gente sobre  o começo da trajetória na orquestra e a importância dela para a vida deles. Confira:

Texto: Gabriel Leite Ferreira

Produção Multimídia: Nádia Linhares

Edição: Caroline Cardillo

One thought on “Orquestra Sinfônica de Bauru revitaliza a Estação Ferroviária”

  1. Maria Elena says:

    Como musicista, comemoro a resistência.
    Como cidadã, lamento o abandono e descaso com a mais poderosa forma de comunicação artística.
    Persistam!
    A música salva!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *