Arte de rua resiste em Bauru

Desafios de quem ocupa locais públicos para trabalhar com arte na cidade

A rua é um espaço público, dinâmico e essencialmente compartilhado. Frequentemente, ela também é palco para os que manifestam, que trabalham e para os que se apresentam. A arte de rua é uma forma de ocupação do espaço urbano e de diálogo com a comunidade. Por um lado, pode parecer que ganhar a vida seguindo o sonho, sem horário nem local de trabalho fixos seja fácil. Mas na verdade, o artista de rua tem que lidar com preconceitos, falta de apoio e, claro, com contas a pagar.

artista de rua

Marcílio do Nascimento precisa tirar o mínimo por dia para pagar a diária da pensão em que está hospedado. “Quando a movimentação ta fraca eu atuo de uma a duas horas e meia, junto as coisas para manter energia para um dia melhor”, conta (Foto: Mariane T. Arantes)

A legislação

Segundo o artigo 254 do Código de Trânsito Brasileiro, é proibido ao pedestre permanecer ou andar nas pistas de rolamento, exceto para cruzá-las onde for permitido. Também é proibida a prática de esportes, desfiles e similares, salvo em casos especiais e com a devida licença da autoridade competente.

Contudo, os artistas se resguardam citando o artigo 5º da Constituição Federal que garante aos brasileiros e estrangeiros residentes no Brasil a livre expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.

Em Bauru, a apresentação dos artistas em locais públicos é permitida desde que haja uma autorização da Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Segundo Paulinho Pereira, diretor do Departamento de Ação Cultural da Secretaria Municipal de Cultura, o artista também passa por uma análise para verificar se o trabalho dele não vai prejudicar o espaço público ou a população. Assim, caso o artista não tenha alvará, a Secretaria Municipal de Planejamento (Seplan), responsável pela fiscalização dos ambulantes, pode retirá-los do local sem aviso prévio.

Trabalho duro

O músico Micael Sousa, de 36 anos, conseguiu o alvará há 5 meses. A situação financeira do artista se tornou um problema e ele foi trabalhar nas ruas. No entanto, a rotina não é fácil: de segunda à sábado das 9h às 18h no calçadão e aos domingos na rodoviária. Quando surge a oportunidade, ele ainda trabalha em casamentos e aniversários.

músico de rua

No Youtube, os vídeos de Micael já atingiram mais de 54 mil visualizações (Foto: Mariane T. Arantes)

Já Marcílio do Nascimento é um artista itinerante que trabalha na rua com teatro, mímica e estátua viva. O homem de 57 anos conta que é necessária preparação física e uma alimentação saudável. O trabalho é diário, no calçadão ou na feira do rolo e, às vezes, ainda faz “bicos” como pintor.

Ele viaja pelo país e, na hora de escolher o próximo destino, estuda a economia do local. Cidades na região da borracha, da cana de açúcar e com baixa taxa de desemprego são as melhores opções. Segundo ele, por serem locais que movimentam mais dinheiro, as pessoas tendem a colaborar mais.

A visão da população

Marcílio afirma que “o artista de rua tem sempre que ter bom humor e boa educação para tratar o público”, mesmo quando a população não colabora. Assim, a arte de rua tem esse lado que pretende dialogar com a comunidade. Ele, por exemplo, busca tirar o ser humano dos pensamentos cotidianos ao entregar mensagens que promovam reflexão.

artista de rua

Há 15 anos trabalhando na rua, Marcílio pretende juntar dinheiro antes de voltar para Minas Gerais, seu estado natal (Foto: Mariane T. Arantes)

Para Micael, uma das maiores dificuldades de trabalhar na rua é lidar com as pessoas. Ele afirma que quando você é novidade é mais fácil atrair a atenção delas. No entanto, com o tempo fica mais complicado. A maioria apoia, interage e até se emociona com as músicas. “Tem dias que até o morador de rua me dá uma moeda”, conta. Por outro lado, sempre tem as que fazem comentários preconceituosos.

Na pesquisa “Artistas de rua: trabalhadores ou pedintes?”, realizada por Bruno Buscariolli, Adele de Toledo Carneiro e Eliane Santos, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), buscou-se apresentar as principais características da interação entre artistas de rua e o público. Assim, o trabalho conclui que “a performance dos artistas de rua é um fenômeno democrático, porém de modo geral esses profissionais ainda são vistos pela população como pedintes, e não como pessoas de carreira artística em construção.”

Apoio da prefeitura

Paulinho afirma que atualmente não existe nenhum projeto específico voltado para atender ou incentivar a arte de rua. Por outro lado, existe o Programa de Estímulo à Cultura (PEC), aberto para qualquer pessoa ou empresa que queira apresentar um projeto cultural e receber apoio financeiro. Por isso, o diretor afirma que mesmo com a divulgação massiva nas mídias, a secretaria recebe poucas solicitações. A maioria é enviada de última hora ou incompleta.

Na visão do diretor, estar na rua é “uma falta de respeito com o artista, pelo talento que ele tem”. Por isso, reitera a importância de participar do projeto para a profissionalização. “Se eles não conseguirem nem a PEC que é mais tranquila, nunca vão conseguir uma Lei Rouanet, por exemplo”, afirma. Sabendo das dificuldades de escrever o projeto, a Secretaria da Cultura prepara seminários para auxiliar os artistas a produzir esse material. Porém, afirma que a quantidade de participantes é baixa.

SAIBA MAIS:

Na arte de viver dos sonhos

 

Texto: Amanda Casagrande

Produção multimídia: Mariane T. Arantes

Edição: Karina Francisco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *