N° 45 – 2017 | Ondas de Ódio

Motivadas por medo ou raiva, ou até mesmo por alguma ação sofrida, as ondas de ódio não são incomuns ao nosso vocabulário e muito menos à nossa realidade. Já vimos povos serem expulsos de suas terras, pessoas serem assassinadas e perseguidas por essa pequena palavra que atravessou gerações.

Numa realidade de crise econômica, social e política, vemos a ascensão de líderes políticos ultraconservadores ligados a discursos que se sustentam puramente no ódio.  Há também o aumento de ataques gratuitos a qualquer um que se oponha ao que está sendo dito, ou que seja um pouco diferente do que é concebido como normal pela sociedade. Isso ocorre principalmente nas plataformas digitais, onde basta que uma pessoa influente aponte para outra e, em questão de segundos, vidas são reviradas e destruídas.

Foi pensando nisso que escolhemos o tema da quadragésima quinta edição do Repórter Unesp. Nessa edição abordaremos as intolerâncias, desde as religiosas, como os ataques a religiões de matrizes africanas, e também a misoginia que acaba resultando no feminicídio de milhares de mulheres por ano. Além disso, vamos abordar um pouco de como os ataques de ódio podem ser enfrentados, principalmente no meio cibernético.

Por fim,  essa edição discutirá como as ondas de ódio estão afetando o meio político, tanto no Brasil, com uma aparente bipolarização política, como no mundo.

Desejamos a todos bons momentos de leitura e reflexão.

Até breve!

Editora-chefe: Mariana Soares

Editora-adjunta: Amanda Casagrande

Gestora de mídias sociais: Giovana Murça

Nesta edição:

Ascensão de movimentos da extrema direita refletem crise do sistema

“Coxinhas” vs. “petralhas”: a polarização existe de fato?

O que a ascensão do conservadorismo na Europa tem a ver com Trump?

Em busca de uma comunicação mais compassiva e solidária

A onda de ódio atinge a qualquer um, inclusive no meio cibernético

Liberdade de expressão e os limites da tolerância

Opinião ou uma falha tentativa de justificar o preconceito e o ódio?

Feminicídio no Brasil: menos uma mulher, mais uma vítima

Preconceitos e Privilégios: a realidade de uma transexual universitária

Intolerância religiosa contra religiões afro-brasileiras

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *