Nº 24 – 2015 | Relacionamentos

 

Ilustra Jackie Monteiro

Ilustração do livro “Filho por amor – A história de Guido”, das psicólogas Alessandra Macêdo, Geórgia Hackradt, Gessica Raquel, Mariana Francelino e Nayara Mota. Amor entre pais e filhos “do coração”, um dos muitos exemplos de relacionamentos familiares.

João namorava Laís, mas terminaram e hoje ele está com o Tiago. Já Laís tem um novo namorado e uma nova namorada, ao mesmo tempo. Mas os dois continuaram amigos. Os pais de João estão casados há 20 anos e fazem parte de um grupo de amigos grande, que se conhecem desde os tempos de colégio. Laís nem lembra de ter os pais morando na mesma casa porque eles de divorciaram quando ela era muito nova.

O ser humano é um ser social e são diversas os tipos de relações que pode manter: românticas, profissionais, amigáveis, afetivas. Cada uma dessas traz desdobramentos que suscitam novos debates, principalmente a partir do surgimento de algumas novas “configurações” de relacionamentos.

Nessa edição do Repórter Unesp, nossa equipe explorou três desses tipos: amizade, amor e família. Ainda existe a “família tradicional”? Famílias continuam sendo famílias depois de um divórcio ou de um processo de adoção? E os relacionamentos amorosos? Hoje em dia é comum começar uma relação depois de um match no tinder, e às vezes essa relação não é monogâmica. Mas e se o relacionamento tornar-se abusivo, o que fazer? Seja virtual ou existente a muitos anos, a amizade parece ser a forma mais descomplicada de relacionamento. Mas e quando um dos amigos quer algo mais e alega estar na tão temida friendzone? Isso acontece mesmo?

Nossa equipe não tem todas as respostas, mas promete discussões interessantes sobre essas variações de relacionamentos. Boa leitura!

Caroline Braga – editora-chefe

caroline.bragalima@gmail.com

Marília Garcia – editora-adjunta

mariliagarcia_10@hotmail.com

NESTA EDIÇÃO:

O amor a um “match” de distância (ou não)

A vida e o(s) amor(es) fora da monogamia

Em defesa da família, de todas as famílias

Caminhos da falta de um lar

“A fala da criança é soberana e a nossa função é protegê-la”

Divórcio, um tabu

Amizades duradouras não existem apenas na TV

A naturalização dos relacionamentos abusivos

Entre o virtual e o real: a constituição das amizades em diferentes plataformas

É amor e amizade, só não é “friendzone”

As vozes que ficaram livres

Psicóloga explica relacionamentos abusivos: o que é e como lidar com essa situação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *