Nº 10 – 2014 | Prostituição

(Foto: Amanda Melo)

(Foto: Amanda Lima)

Madrugada gelada de domingo. Um homem trabalha solitário em um trailer de lanches na cidade de Marília, servindo comida e bebida aos últimos sobreviventes da noite. N., que aparenta ter cinquenta e poucos anos, começa a contar sobre seus relacionamentos com uma espontaneidade quase inocente. Confiança imediata que se aprende na vida boêmia, em que tudo parece permanecer no anonimato.

– Eu saio de madrugada do serviço todo dia e, às vezes, saio com umas meninas, diz N.

– Você é casado?

– Sou. Minha mulher tá em casa cuidando dos filhos.

– Se você é casado, por que procura prostitutas para fazer sexo?

– Ah, porque o homem gosta de sair da rotina, né? Tudo que sai da rotina é melhor.

– Mas você não pode sair da rotina com a sua esposa?

– É difícil…, comenta encabulado.

– Por quê?

– Porque mulher casada se dá mais ao respeito, né?

 

A prostituição é uma prática milenar que passou por diversos momentos em sua relação com as normas e condutas sociais. Na história, pessoas ligadas a essa atividade já foram demonizadas, criminalizadas e, hoje, discute-se a proposta de regularização da profissão.

No Brasil, a prostituição não é ilegal, mas a contratação de pessoas para se prostituírem ou o fomento à atividade é considerado crime. Mesmo que as prostitutas não sejam penalizadas, não existem mecanismos para que tenham seus direitos reconhecidos, incluindo direitos trabalhistas e amparo do Estado em situações de risco.

Se a preocupação dos que são contra a atribuição desses direitos é de que a mulher ou homem que se prostitui é tratado como um objeto e de que a atividade é uma forma de mercantilização do corpo, também é preciso repensar o quanto outras profissões – se não todas – envolvem a exploração da força de trabalho física e intelectual, em maior ou menor proporção.

O objetivo da edição foi confrontar visões comuns sobre a prostituição, seja ela feminina, masculina, transexual ou homossexual, e apurar porque a prática é colocada nos lugares mais marginalizados da sociedade. Mas a discussão vai além. O que essas mulheres e homens estão, de fato, comercializando? Seriam apenas seus corpos ou também desejos, fetiches e a chance de fugir da solidão por alguns minutos ou horas?

Histórias como de Suely, Sabrina, Layane, Ashley Carolina, Valéria, Alan, Leticia, entre outros personagens, ajudam a responder essas questões, oferecendo a oportunidade de entender o universo da prostituição e suas contradições.

Carolina Ito – Editora-chefe
(carolina.ito33@yahoo.com.br)

NESTA EDIÇÃO:

Perfil: A estrada de Leticia para longe do senso comum

Por dentro da Casa da Eny

A responsabilidade não é só delas

A rua é das trans

Homens e travestis esbarram no preconceito

“Como você sofreu violência se o cliente estava pagando?”

Projeto de Lei Gabriela Leite propõe regulamentação da profissão 

Artigo: A profissão menos organizada do mundo

Ensaio fotográfico

One thought on “Nº 10 – 2014 | Prostituição”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *