Nº 06 – 2014 | Calçadão Municipal: histórias do centro

Se a calçada da rua Batista de Carvalho falasse, certamente teríamos histórias dos mais diversos temas para ouvir. A centenária rua do calçadão acompanhou o crescimento de Bauru e tornou-se um dos mais importantes polos comerciais do centro-oeste paulista. Mais que isso, o calçadão ficou marcado como um dos símbolos de Bauru, onde histórias – nem sempre felizes – se formaram e se encontraram.

O objetivo da sexta edição do Repórter Unesp é justamente encontrar e desvendar essas histórias. Como quase-jornalistas, foi nossa tarefa fugir do senso-comum, expandir nossos horizontes e mostrar o que há por trás das 15 quadras da Batista de Carvalho. Para isso, passamos pelo duro desafio de saber ouvir: foi o povo que contou as histórias que retrataremos aqui, portanto, cada fala de cada entrevistado foi uma fonte de ideias e informações preciosas para nós.

Assim, procuramos ouvir o maior número de pessoas que constroem as histórias do centro bauruense. Seguindo os mais nobres princípios jornalísticos, buscamos os dois (ou três, quatro, cinco…) lados da história: conversamos com lojistas tradicionais, consumidores e até as “pessoas invisíveis”, aqueles que sempre estão no calçadão, mas passam despercebidos aos nossos olhos. Aliás, o trabalho com estes ilustres desconhecidos foi tão gratificante que gerou um mini-documentário muito bem produzido.

Pouco adiantaria nosso trabalho se não buscássemos uma visão crítica sobre o assunto. Assim, também foi nosso objetivo mostrar todos os problemas escondidos (ou escancarados) na Batista de Carvalho, como o abandono dos prédios da região e a realidade daqueles que vivem no centro após o fim do expediente, quando o comércio dá lugar às drogas e à prostituição.

Revelar histórias é um dos maiores prazeres do exercício jornalístico. Poder aliar isso a uma contribuição para a sociedade é duplamente prazeroso. Que esta edição seja tão boa quanto um passeio no centro da cidade!

Renan Fantinato – Editor chefe

NESTA EDIÇÃO:

A História do Calçadão Sem Limites

“Hoje eu vou batistar”

Comércio do Calçadão movimenta economia de Bauru

Os prédios que contam histórias

Vitrines da Batista refletem histórias e tradições

Bauruense não conhece o centro da cidade

Esquecidos pela sociedade também são parte da vida no Calçadão

Mini-doc: Calçadão, a rua dos esquecidos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *