Nº 05 – 2014 | Terapias alternativas

A busca da cura de uma dor, de um mal-estar ou de enfermidades de qualquer espécie é uma prática tão antiga quanto o próprio ser-humano, ou talvez até anterior a ele. O que mudou desde então foi a diversidade e a cientificidade dos procedimentos adotados por nós para chegar a este mesmo objetivo: o bem-estar físico, mental e emocional.

Com o tempo deu-se um nome a tudo isso, medicina – do latim a arte da cura. Hoje o nível de especialização e de precisão da medicina tradicional é considerado altíssimo no mundo todo. Mas existem outros tipos de cura, além daquela mais conhecida e utilizada na nossa cultura, de sair de casa e ir até o médico que cuida especificamente do local da onde provém a sua dor. E porque elas não são consideradas tradicionais ou convencionais? O objetivo desta edição é justamente responder a essa pergunta, buscando apresentar o uso das chamadas terapias alternativas.

Algumas delas, apesar de não serem consideradas tradicionais, são mais antigas que especialidades médicas reconhecidas, como por exemplo os hábitos familiares calcados no uso de produtos naturais e caseiros. São os chazinhos que tiram certas dores, os benzimentos que buscam a cura emocional ou até mesmo alguns rituais. Isso tudo além de cultura é terapia.

Ainda que, por não terem comprovação científica, eles não sejam consideradas pelo Conselho Federal de Medicina como terapias alternativas, são aqui considerados por nós dessa maneira, embora apenas por uma edição de uma revista digital. Isso porque pessoas dizem que eles curam, e aqui nós falamos de pessoas, não de números.

Mesmo assim ainda trazemos um pouco do que é – legalmente – considerado terapia alternativa. Aqui você vai saber mais sobre acupuntura, homeopatia, floral de Bach, entre outras coisas que tem comprovação científica, apesar de não se enquadrarem em nenhuma especialidade médica. Mas não pense que faremos aqui uma lista de todas as terapias não convencionais que existem explicando cada uma delas. Nosso objetivo é outro.

Temos a simples vontade de mostrar aos nossos leitores como as terapias alternativas, científicas ou não, também podem trazer a cura. Talvez não a cura completa, talvez não a substituição total a medicina tradicional. Talvez a união das duas. Mas pra descobrir isso você vai ter que ler.

 

Mariana Torres –  editora chefe

NESTA EDIÇÃO:

Terapias alternativas e tradicionais: uma questão de escolha?

Tratamentos não convencionais: a ciência explica

Onde a hipnose, acupuntura e o chá de boldo se encontram

A cura que vem de casa

Top 5: terapias bizarras

Fala povo – terapias alternativas

Acupuntura segundo Cheng Wen Hua

One thought on “Nº 05 – 2014 | Terapias alternativas”

  1. Pingback: Ombudsman - Sobre etimologia e digitalização - Repórter Unesp
  2. Trackback: Ombudsman - Sobre etimologia e digitalização - Repórter Unesp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *